Cotidiano

Liberdade

Posted on: fevereiro 27, 2009

São muitas as amarras. Do mundo, do corpo, dos outros, de nós mesmos. E elas – as amarras – fazem toda a diferença sobre o que somos, o que fomos e o que podemos ser. De todas, creio que as do corpo sejam a mais difíceis de se libertar, pelo menos no mundo que conheço. E foi assim com ela.
Sempre sábia e corajosa. Cuidou muito bem dos sete filhos, trabalhava e ainda tinha tempo para ser vaidosa. A maioria das mulheres daria tudo para aprender a equilibrar tudo isso. Ela simplesmente soube e o fez, com austeridade e doçura.
Até que o tempo começou a dar saltos, o mundo começou a mudar. A voz emudeceu, o corpo ficou imóvel. Ela que cuidava de tudo, precisou ser cuidada. O marido cuidou, mas acabou partindo. Também tinha amarras para soltar. Suas filhas,então, passaram a cuidar até que um dia ela dormiu e acordou num sonho de liberdade.

…a vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar

E assim chegar e partir
são só dois lados
da mesma viagem
O trem que chega
é o mesmo trem da partida
A hora do encontro
é também despedida…
(Milton Nascimento)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Enquanto isso no Twitter…

Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

del.icio.us

%d blogueiros gostam disto: